Entertainment

Mundo Positivo » Ex chefe do Evernote chama o Metaverso de Zuckerberg de uma ‘velha ideia’ que ‘nunca funcionou’

O conceito básico do metaverso não é especialmente novo, com o autor de ficção científica Neal Stephenson cunhando o termo em 1992 para descrever um espaço de realidade virtual interconectado. No entanto, apenas nos últimos anos grandes empresas de tecnologia como a Microsoft e a Meta de Mark Zuckerberg começaram a levar a ideia a sério.

A Meta e seus concorrentes fizeram grandes promessas em relação ao seu trabalho com a tecnologia VR. No entanto, a Meta ainda não vendeu a todos sua visão do futuro. Um desses críticos é o ex-chefe do Evernote e atual CEO da Mmhmm, Phil Libin. Ele criticou o metaverso da Meta durante uma recente entrevista ao Insider, chamando-o de “sem criatividade”.

Phil Libin executa o Mmhmm, um software de apresentação virtual projetado para funcionar com plataformas como Zoom e Microsoft Teams. Libin e vários colegas de trabalho experimentaram recentemente o primeiro produto metaverso da Meta, o Horizon Workrooms. Como o rival Microsoft Mesh, o software da Meta é essencialmente uma versão VR do Zoom. Ele permite que as equipes realizem reuniões de negócios em uma sala de conferência de realidade virtual.

Libin, que já estava cético em relação ao produto, odiou a experiência, dizendo: “Foi tolerável apenas por alguns minutos”. Libin criticou especificamente a incapacidade de interagir com objetos do mundo real como uma desvantagem significativa em comparação com algo como o Zoom. Por exemplo, simplesmente beber uma xícara de café se torna um incômodo com os óculos de realidade virtual preso ao rosto.

Ex chefe do Evernote chama o Metaverso de Zuckerberg de uma ‘velha ideia’ que ‘nunca funcionou’ - 2
Mark Zuckerberg, Imagem: David Paul Morris/Bloomberg via Getty Images

Esta não é a primeira vez que Libin fez críticas contra a visão da Meta do metaverso, dizendo anteriormente que o hype o lembrava da propaganda soviética. No entanto, ele também não é a única pessoa não impressionada com a Meta e o metaverso em geral, com John Carmack compartilhando suas preocupações em outubro. Enquanto isso, a Meta relata perder US$ 10 bilhões em seu novo negócio de metaverso, com as ações da empresa encolhendo 26% na última quinta-feira.

Libin continuou dizendo sobre o metaverso: “É uma ideia antiga. Não é criativo, foi tentado muitas e muitas vezes nas últimas quatro décadas e nunca funcionou.” Novamente, Libin não é o primeiro a expressar uma opinião semelhante. Alguns comentaristas online fizeram comparações entre os projetos atuais do metaverso e o jogo online Second Life. Lançado em 2003, o Linden Lab comercializou o Second Life da mesma forma que o metaverso de Zuckerberg, e viu um nível semelhante de hype na mídia.

Os defensores do metaverso argumentarão que a tecnologia só precisa de tempo para amadurecer. Ainda assim, Libin acha esse argumento pouco convincente, dizendo: “Acho que a grande tecnologia começa sendo primitiva, mas começa a ser ótima imediatamente”. Ele deu os exemplos dos primeiros consoles de videogame e varejistas online como a Amazon. Ambos foram extremamente ásperos e limitados no início, mas tiveram sucesso bastante imediato, e os usuários os viram como impressionantes na época.

Enquanto isso, a visão da Meta do metaverso ainda luta para provar seu valor, e Libin duvida que isso aconteça. Libin disse: “Não vai melhorar porque começou mal. Começou estúpido. Pode ficar mais sofisticado, mas será apenas mais sofisticado – mas ainda ruim.”

Via: Game Rant/Insider

Fonte: Observatório de Games

Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published.

close