Entertainment

Mundo Positivo » Veja quais empresas do mercado cripto faliram ou bloquearam saques até agora

Veja quais empresas do mercado cripto faliram ou bloquearam saques até agora - 1

O colapso de plataformas cripto está especialmente conectado com o sentimento pessimista gerado pelo medo e a incerteza do cenário econômico mundial. Bolsas de valores no mundo todo estão em queda, ações de diversas organizações registram fortes baixas; mas apenas no mercado cripto estamos vendo empresas impedindo os clientes de reaver seus investimentos travando os pedidos de saques e instituições entrando com pedidos de falências.

O motivo para as desvalorizações tanto do mercado de ações quanto o de cripto, é o aumento da taxa de juros por parte do Banco Central dos EUA, o FED. É comum no sistema financeiro o entendimento que uma taxa de juros mais alta afeta praticamente todos os ativos de risco, como cripto e ações.

Se por um lado o aumento da taxa de juros causa desvalorização, afeta o mercado e provoca crises como a que estamos vendo acontecer atualmente.


Siga o Canaltech no Twitter e seja o primeiro a saber tudo o que acontece no mundo da tecnologia.

Por outro lado, vemos grandes empresas do setor de criptoativos, cujos gestores não se preparam para momentos como esse e mostram quão frágeis eram o gerenciamento de risco das organizações que como resultado acabaram tendo de recorrer ao bloqueio do dinheiro dos clientes e até pedidos de falência, como solução.

Abaixo veremos as sete principais empresas do setor que sucumbiram diante do péssimo cenário econômico em que está as criptomoedas.

Veja quais empresas do mercado cripto faliram ou bloquearam saques até agora - 2
O pessimismo em torno do mercado cripto por conta da falência generalizada de empresas do setor, abala a confiança do investidor (Imagem:Reprodução/Envato/leungchopan)

CoinFlex

A plataforma de negociação de criptomoedas CoinFlex, anunciou cerca de duas semanas atrás o bloqueio das solicitações de saques de todos os clientes. Na época a organização alegou que as “condições extremas do mercado” forçaram a empresa a tomar tal atitude.

Segundo revelou a empresa, o conhecido investidor de criptomoedas Roger Ver deve cerca de US$ 47milhões (R$ 249 milhões) a organização.

O CEO da empresa publicou no Twitter que Roger Ver fez um pedido de empréstimo no valor milionário e que assinou um contrato no ato da solicitação. Ele nega a dívida.

Como tentativa de contornar a situação, a empresa lançou um token chamado Recovery Value USD, ou rvUSD. A intenção é capitar novos investimentos e arrecadar os US$ 47 milhões e assim liberar os saques para os usuários. Ainda não há novas atualizações sobre a situação da plataforma e nem quando o capital dos clientes será devolvido.

Babel Finance

A plataforma de empréstimo de criptomoedas Babel Finance, anunciou dia 17 de junho no site oficial da empresa a suspensão dos saques dos clientes. No comunicado eles informam que a organização está enfrentando “pressões de liquidez incomuns”. Eles também apontaram as grandes flutuações no preço dos ativos e “eventos de risco condutivos” entre os participantes institucionais como as razões para a restrição imposta pela empresa.

Segundo uma fonte anônima revelou para o site coindesk, a Babel está buscando uma reestruturação. Para isso aparentemente contrataram o escritório Houlihan Lokey ou estão em processo de contratação e também estão assinando uma “carta de compromisso” detalhando todo o processo de reformulação da empresa.

De acordo com a fonte, a Babel Finance apresentará nas próximas semanas os resultados dos acordos com os credores e então irá declarar insolvência ou inadimplência.

Three Arrows Capital

A Three Arrows Capital foi mais além do que apenas travar o capital dos investidores, ela provavelmente foi a responsável pelo colapso de outras organizações do setor. A empresa fundada em Cingapura no ano de 2012 por Su Zhu e Kyle Davies, foi uma das pioneiras do mercado.

Zhu no ano passado estava extremamente otimista com o mercado, após o preço do Bitcoin atingir os US$ 69.000 (R$ 368.000) ele declarou que o alvo de preço da criptomoeda era até US$ 2,5 milhões (R$ 13 milhões). Mas de lá para cá o valor do Bitcoin e das criptomoedas só despencou.

Sua visão otimista levou a 3AC a realizar aplicações arriscadas nas criptomoedas. Foi em maio após o colapso da Luna, um dos seus investimentos, que a organização deu os primeiros sinais de instabilidade.

Na tentativa de resolver a crise de liquidez, a 3AC tomou empréstimos de valores milionários. Uma das empresas que pediu dinheiro foi a corretora de criptomoedas Voyager.

A Voyager recentemente cobrou a 3AC, o valor de 5,25 mil Bitcoins, que vale cerca de US$ 305 milhões e mais US$ 350 milhões (R$ 1.8 bilhões). Sem conseguir pagar as dívidas, a Three Arrows Capital entrou com pedido de falência.

Voyager Digital

Voyager Digital, é um banco americano especializado em produtos de criptomoedas. A empresa deu sinais de que algo estava errado na sexta-feira dia (1), quando suspendeu as negociações, depósitos e saques.

Segundo comunicado da empresa, sua subsidiária, a Voyager Digital LLC, emitiu um aviso de inadimplência para a 3AC por não realizar os pagamentos de um empréstimo de 15.250 BTC e US$ 350 milhões em dólar digital “USDC”.

No Twitter, o CEO da Voyager Digital, Stephen Ehrlich, declarou que a volatilidade do mercado e o calote da 3AC fez a empresa tomar essa “ação decisiva”. A organização registrou o processo de falência na terça-feira (5) sob o Capítulo 11 da Lei de Falências dos EUA.

CoinLoan

Os problemas na CoinLoan começaram segunda-feira (4). A empresa estabeleceu temporariamente um limite máximo de saques de US$ 5.000 (R$ 15.300) a cada 24 horas para os clientes. A plataforma declarou não ter investido na falida criptomoeda Luna e nem ter participação na também falida empresa 3AC.

No entanto, disse a empresa, a turbulência causada pela falência de outras organizações, impactaram todo o mercado e forçou a CoinLoan a paralisar os pedidos de saque.

Uma atualização publicada na conta oficial do Twitter da empresa revela que as medidas implementadas funcionaram conforme o esperado, as excessivas solicitações de saques diminuíram e o capital dos investidores estão seguros. A CoinLoan destaca ter voltado as operações normalmente.

Celsius Network

A Celsius atua como um banco, permitindo que os investidores depositem tokens em troca de rendimento. No dia 13 de junho, a empresa anunciou nas redes sociais que estaria “pausando todos os saques e transferências entre contas, para poder estar em melhor posição de honrar, ao longo do tempo, suas obrigações de saque”.

De acordo os responsáveis pela plataforma, essas ações foram tomadas com o intuito de beneficiar toda a comunidade, estabilizando a liquidez e as operações enquanto outras ações estão em curso, com o objetivo de preservar e proteger os ativos.

A decisão da empresa não foi bem vista pelo mercado, e apenas aumentou as preocupações de uma possível falência da Celsius. Já se passaram três semanas, desde o bloqueio do capital dos clientes e ainda não há prazo para os investidores terem de volta seus investimentos.

Na última quinta-feira, dia 30 de junho, a corretora de criptomoedas FTX anunciou a desistência de comprar a Celsius, segundo o site The Block, o motivo foi a grave situação financeira em que se encontra a plataforma.

Vauld

Na segunda-feira (4), a plataforma de negociação e empréstimo de criptomoedas Vauld bloqueou as solicitações de saques e depósitos dos clientes. A empresa declarou que as condições voláteis do mercado e as dificuldades financeiras dos principais parceiros de negócios levou a organização a tomar a difícil decisão.

Segundo Darshan Bathija, CEO da Vauld, a organização está em busca de oportunidades para “reestruturar” a empresa e, nesse sentido contratou o escritório Kroll como consultor financeiro a Cyril Amarchand Mangaldas e Rajah & Tann Singapore LLP como parceiros jurídicos.

Ele também declarou em uma postagem no Twitter que está em negociações com potenciais investidores na tentativa de buscar uma solução para a situação. Segundo ele, a empresa solicitará uma moratória (atraso ou suspensão, geralmente, de pagamentos) nos tribunais de Cingapura.

A intenção é suspender as demandas contra a empresa; e assim ter mais tempo para realizar o processo de reestruturação.

Trending no Canaltech:

Fonte: Canaltech



Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published.