Sports

O Brasil precisa ouvir Abel Ferreira – 24/04/2022

Abel Ferreira chegou ao Brasil como uma incógnita: técnico jovem, sem currículo que impressionasse e trabalhando na Grécia.

Assumiu o Palmeiras em 2020 e, desde então, ganhou duas Libertadores, uma Copa do Brasil, uma Recopa e um Paulista. Montou um time muito bom, que se defende e também ataca com precisão. Futebol reativo e que impressiona. Nota: foi muito mal nos Mundiais

Mas a importância de Abel não é só pelos títulos. É pelo que tem falado, principalmente em relação ao calendário. E tem falado mesmo quando ganha, como agora no massacre contra o Corinthians.

É impossível hoje o torcedor saber a escalação de seu time, do 1 ao 11, de cabo a rabo. E não só pela possibilidade de cinco substituições, mas, principalmente, pela impossibilidade de manter o mesmo time com jogos a cada três dias, de janeiro a novembro. E com viagens internacionais. Brasileiro, Libertadores e Copa do Brasil simultaneamente, após o Paulista.

Abel diz que e muito desgastante, parabeniza os treinadores brasileiros por trabalharem nessas condições e já apresentou algumas ideias.

São ideias paliativas. Não há muito o que fazer. Eu, por exemplo, sou radicalmente contra o fim dos Estaduais. E, independentemente do que penso, eles não serão extintos, o que melhoraria o calendário. O que se pode fazer é diminuir uma data ou outra.

Mesmo assim, Abel fala. É uma voz respeitada e insistente.

PS – Continuo achando o comportamento de Abel, à beira do campo, lamentável. E algumas entrevistas, desprezíveis. Principalmente duas. Uma em que disse estar com vontade de imitar Renato Gaúcho e dar nomes de jornalistas cujas críticas o incomodavam. E outra, quando explodiu seu eurocentrismo e dizendo que falta concentração no trabalho aos brasileiros.

Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published.

close